Artigos sobre 'Reflexões sobre o teatro'

nov 14 2008

O rito das celebrações no universo teatral

Publicado por em Teatro

Rito pagão – Magick Circle / Sir Waterhouse A duração da existência foi sempre dividida entre ritos e celebrações. Por exemplo, os ritos que exorcizam a morte, esse acontecimento indesejado, mas compreendido como início de uma nova existência. Ou as quatro estações que são recebidas com rituais de Primavera – nascimento e floração, Verão – […]

Um comentário

out 27 2008

Máscaras: as relíquias do teatro grego

Publicado por em Teatro

O carro de Thespis, cheio de máscaras, é uma convenção lendária confirmada pela existência de mármores atenienses onde se lê seu nome.  E há notícia de que nas suas primeiras apresentações dos concursos dramáticos, onde compunha e cantava ditirambos, ele disfarçou seu rosto com um pó, provavelmente um talco proveniente de chumbo ou gesso, depois […]

10 comentários

set 30 2008

A relação hierárquica e harmoniosa de elementos de encenação

Publicado por em Teatro

A encenação não é sempre a união de todas as artes, como na tragédia grega ou na ópera, mas uma justa relação hierárquica entre os diferentes meios de expressão. O elemento primeiro e fundamental é o ator, pois sem ele o drama não existirá. É sua ação que deverá modelar o espaço teatral em torno […]

2 comentários

set 16 2008

Bob Wilson e seu teatro de “visões”

Publicado por em Teatro

Peer Gyant 1. Direção de Bob Wilson Poeta plástico, cenográfico (gráfico – que pratica o teatro com todos os elementos visuais criados por ele mesmo e mais os seus elementos sonoros). É um teatro feito de “visões” que transcorrem lentamente, com propostas insólitas, belas e poéticas. Tais visões desafiam nosso tempo interior e nos conduzem […]

3 comentários

ago 22 2008

O força de Eurípides em tempos contemporâneos

Publicado por em Teatro

Alceste de Eurípides Uma professora de ensino básico procurou um professor do Departamento de Artes Cênicas da ECA e perguntou se seria possível que este fizesse uma palestra para seus alunos sobre o teatro grego. Ela estava ensaiando alunos para a representação de ALCESTE de Eurípides. Claro que sim, ele gostaria de fazê-lo. Mas queria […]

Um comentário

ago 19 2008

As transformações no teatro brasileiro

Publicado por em Teatro

As transformações na construção de um espetáculo teatral brasileiro foram inúmeras a partir do Teatro do Estudante de Paschoal Carlos Magno e depois do Teatro Brasileiro de Comédia. A seguir vieram o Oficina e o Teatro de Arena. Para quem participou das reuniões de mesa para definição do espetáculo, foi possível assistir os processos mais […]

2 comentários

ago 13 2008

Konstantin Stanislavski e a Gramática da Representação

Publicado por em Teatro

Konstantin Stanislavski – é o autor de uma verdadeira gramática da representação numa forma que pretende ajudar o ator iniciante e ser útil ao ator experiente. Considerando o valor da obra desse Diretor do Teatro de Arte de Moscou, a Enciclopédia Britânica procurou o notável ator americano e professor de atores – Lee Strasberg – […]

Um comentário

ago 06 2008

Figurino: o equilíbrio dos signos ao compor um personagem

Publicado por em Teatro

Há uma emoção para o figurinista durante a preparação para o ensaio final de um espetáculo teatral. Chegam os costumes depois das provas já havidas e o ator veste-se finalmente diante de um espelho. A emoção e as voltas que o ator dá ao redor de si mesmo para ver-se em seus diversos ângulos e […]

4 comentários

jul 03 2008

O Teatro nasceu das religiões ou as religiões nasceram do Teatro?

Publicado por em Teatro

Jean Louis Barrault foi um célebre ator francês conhecido no Brasil através do cinema. Foi o mímico Baptiste no filme Boulevard do Crime. Dirigiu durante anos a Commedie Française do Teatro Nacional da França. Ele esteve com a Commedie em São Paulo em 1954, apresentando Cristóvão Colombo de Paul Claudel e O Processo de Franz […]

Um comentário

maio 26 2008

O palco como o deck de um navio

Publicado por em Teatro

Quando estamos preparando as montagens teatrais sempre reconhecemos o palco como o deck de um navio. É como se os cicloramas, cenários, comodins, cortinas – se levantassem para partir. É quando suspensas nas varas que os marujos chamam de vergas, as peças cenográficas se apresentam, prontas, infladas esperando, após expirar o tempo de preparação, os […]

Nenhum comentário